Um ano.

Hoje completo 1 ano de Dublin. E muitos são os sentimentos que isso me remete.  Já reescrevi esse texto um milhão de vezes e nada parece ser verossímil o suficiente com a experiência que vivi nos últimos 365 dias. Mas vamos partir do seguinte pressuposto: uma vez me disseram que você só abandona o seuContinuar lendo “Um ano.”

Livrai-me de todo mal.

Hoje não foi um dia fácil. Na verdade, foi particularmente difícil. E isso porque lidar com a verdade nem sempre é tão agradável quanto se espera e nem sempre o que se espera de alguém é a verdade. Parece um pouco confuso pontuando assim, mas aos poucos começa a fazer sentido. Como uma boa meninaContinuar lendo “Livrai-me de todo mal.”

Mania de lembrar.

Sou viciada em criar memórias, em sempre lembrar das coisas. Parece que eu estou sempre fazendo um esforço descomunal para lembrar de absolutamente tudo. Datas, músicas, textos, livros, aniversários, comemorações. Me lembro de prestar atenção nos detalhes e ler nas entrelinhas, de ser o suporte necessário em tempos turbulentos e o acalento para aqueles queContinuar lendo “Mania de lembrar.”

Estranhezas de uma mente peculiar

Meu estoque de tolerância está por um fio – às vezes eu me esqueço de sorrir o tempo todo, às vezes eu quero desaparecer do mapa, às vezes fico acordada até tarde pensando excessivamente em como mudar o rumo da minha vida sendo que eu ainda nem sei qual rumo eu quero tomar. Estranhezas deContinuar lendo “Estranhezas de uma mente peculiar”