Janeiro

As noites abafadas de um verão que insiste em não acontecer parecem se repetir. Os dias são os mesmos, me perco num cronômetro que não dá conta de acompanhar o movimento frenético dos ponteiros, me soterrando nas areias da ampulheta e num piscar de olhos, sou engolida pelo tempo e sua força incalculável deixa suas marcas até nas minhas moléculas.

Um verão atípico, eu diria. Não pela ausência de sol, pela falta de calor, mas pelo excesso de irregularidades. Tudo é incerto: a garoa, a temperatura, o futuro. E essas incertezas me corroem a alma e me viram do avesso.

A monotonia do dia a dia me contaminou, as tardes tediosas me acompanham sem sossego, me falta ânimo e coragem, me falta esperança e felicidade. As promessas de renovações trazidas pela chegada do novo ano parecem cada vez mais distantes. Não houveram mudanças. Nunca houve. Sempre fazemos uma série de resoluções para o ano seguinte, mas na prática, continuamos os mesmos.

E eu não busco uma transformação superficial, eu busco a metamorfose: quero mudar em todos os sentidos possíveis (e talvez, até os impossíveis). Quero sair do casulo, voar sem rumo com grandes, fortes e belas asas, respirando novos ares, me transmutando de dentro para fora.

Mas, janeiro me puxou pelo pé, me amarrou os braços e cortou minhas asas. Enjaulou a besta inconstante que urge do meu ser, me prendeu num ciclo repetitivo me condenando ao tédio da rotina e da preocupação que aumenta gradativamente a cada manchete, a cada minuto, o medo de fazer parte da estatística cada vez maior e me tornar apenas mais um número entre os milhares que perderam a guerra para o inimigo covarde e invisível.

Não adianta, não consigo, minha consciência simplesmente não permite que eu aja como se nada estivesse acontecendo. De certo modo, prefiro continuar enclausurada e um tanto claustrofóbica, do que compactuar com a irresponsabilidade.

No fim do dia, ao menos, me deito com o espírito tranquilo, sabendo que, apesar de todo sofrimento, o sacrifício não é em vão: a vida, afinal, vale muito mais que festinhas de réveillon.

11 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s